CDL ACIBOM / Notícias

A avaliação de desempenho como um hábito na empresa

Por Gabriel Philipe Dia em Artigos

Opiniões de especialistas são categóricas ao dizer que uma boa avaliação de desempenho não aponta somente o que já passou. Mas indica o que a empresa espera para os próximos anos. Por isso é importante que esta avaliação se torne recorrente, quase que um hábito.

O primeiro passo é deixar de lado os conceitos pré-estabelecidos. Por exemplo o de que a avaliação de desempenho é, por tradição, temida tanto pelos gestores quanto pelos seus funcionários.

O que significa uma avaliação de desempenho?

Para começar a desvendar esse mistério, temos que o desempenho nos dá a ideia de competência somada a resultado. E que, de forma reduzida, nos diz respeito às atitudes, habilidades e conhecimentos aplicados a uma tarefa. Isto acrescido da responsabilidade e zelo com que foi desempenhada, gerando assim o resultado. Ou, para muitos, o cumprimento de uma meta.

Ao avaliar o desempenho, o gestor mensura se os resultados estão sendo alcançados. E também o grau de qualidade para seu atingimento. Ou seja, todos esses fatores importam. Pois não basta cumprir uma meta ou alcançar um resultado. É preciso estar atento quanto à excelência.

Vale lembrar que à empresa cabe a tarefa de estabelecer paradigmas aplicáveis à maioria das pessoas. E assim, deixar acessível e claras as regras e possibilidades de avaliação de desempenho.

E quando esta reflexão parte do empregado, os resultados podem ser bem engajadores. Pois o hábito de avaliar seu desempenho promove o autoconhecimento. Assim como o aprimorando da percepção profissional, a análise das necessidades de treinamentos e suas potencialidades para alcançar resultados.

Gestor x empresa

Mas se esta reflexão parte do gestor ou da empresa?

Os benefícios são de igual relevância, já que possibilitam ações mais assertivas. Isso vale tanto nas orientações quanto nos relacionamentos com sua equipe, parceiros ou fornecedores, facilitando assim a evolução da organização.

Cabe ao gestor corrigir o trabalho sempre que necessário. E também detectar o momento propício às ações que visem aperfeiçoar o desempenho. Quer seja em um lançamento de produtos e promoções. Ou em nos casos de recolocações e outras medidas de RH que visem alcançar maior fluidez da equipe. E o conhecimento adquirido nas avaliações de desempenho é crucial nesta fase.

Equipes mais fortes

Você sabia que a avaliação de desempenho ajuda a conquistar equipes mais fortes?

É verdade. Conhecer um pouco mais seus funcionários e a postura profissional deles auxilia na montagem de equipes mais fortes. Isso dá uma visão das habilidades que se complementam. Lembrando que uma equipe de trabalho bem construída pode trazer resultados expressivos para as empresas.

Por isso promova o hábito de passar o desempenho a limpo. Esta ação pode mudar, de forma definitiva, a produtividade e as relações de trabalho.

E aos empregados fica um lembrete: não saia de reuniões e encontros de sua empresa sem respostas para questões práticas. Por exemplo: “Quais conhecimentos e habilidades necessito adquirir para minhas tarefas?” “Que atitudes necessito mudar?” e, “Quais minhas possibilidades de crescimento?”

--

Fonte: Sebrae MG

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Contratação: os segredos da pós-seleção

Por Gabriel Philipe Dia em Artigos

Muitas empresas se preocupam muito com o processo de contratação de funcionários, mas não dão a devida importância ao período pós-seleção ou período em que o empregado está em experiência. Esse momento é tão ou mais impactante para o sucesso da contratação que a seleção em si. Afinal, é quando atitude e técnica do novo colaborador podem ser observados e aprimorados.

O trabalho da contratação

Você se lembra de como é complexo contratar? O processo inclui procedimentos legais e contábeis que alcançam uma lista enorme de tarefas, documentos, fichas a serem preenchidas, exames médicos, cadastros etc. São dias trabalhando no aspecto legal para chegada desse novo funcionário ao quadro.

Que tal fazer todo esse investimento valer a pena? Porque se não houver um acompanhamento eficaz desse empregado, grandes são as chances de que ele não permaneça na empresa. Seja por opção própria ou da sua equipe. O que recomendo é o investimento no processo que estou chamando de pós-seleção. Organize esse processo e aumente as possibilidades de sucesso na formação da equipe. Veja como:

Apresente a empresa aos novatos

Se a sua empresa tem um profissional responsável por essa área, reveja com ele quais são as práticas aplicadas nesse período, que normalmente são de 90 dias. Dentro dessa revisão, tome os seguintes cuidados:

  • Defina quem vai receber esse novo empregado, mesmo se ele vier através de um processo de uma empresa terceirizada. Essa pessoa apresentará a empresa, os benefícios, direitos e obrigações legais, informará sobre as regras, o regulamento, horários etc.
  • Capacite essa pessoa. Há grande importância em preparar um profissional para que ele esteja apto a receber novos funcionários, favorecendo a inserção e integração do novato à empresa. Investindo na capacitação desse funcionário, você o valoriza e ganha um forte aliado no período de adaptação, o que aumenta seu sucesso em contratações.
  • Escolha alguém (você ou a pessoa responsável pelo treinamento) para contar uma breve história da empresa e de como ela chegou até aqui.
  • Logo no primeiro dia, certifique-se de que esse colaborador saiba o que se espera dele em termos de desempenho de função.
  • Você e o encarregado pela apresentação da empresa devem escolher quem será o responsável pelo apoio, acompanhamento e condução do treinamento.
  • Garanta que o novato seja apresentado à toda a equipe em sua primeira semana. Essa interação faz com que os ruídos de comunicação, a incerteza do grupo e a rejeição ao novato diminuam consideravelmente.

Não perca o novato de vista

  • As regras devem ser estabelecidas de maneira clara e objetiva logo na recepção do novo contratado. Isso feito, crie formas de acompanhar o desenvolvimento das tarefas e as interações do seu novo talento.
  • Converse com a equipe, caso ele seja inserido numa, e dê feedbacks. Tanto para ele quanto para o time. Faça dessa contratação um motivo a mais para estar perto de todos, mostrando suas impressões e liderando os profissionais.
  • Peça e ouça os feedbacks do novo colaborador e dos profissionais diretamente ligados a ele.
  • Tenha um formulário de avaliação do período de experiência. Encontramos esse tipo de documento disponível em páginas na web dedicadas ao assunto. Busque um que se adeque à sua empresa ou crie o seu próprio. Com um pouquinho de pesquisa e boa vontade você encontra bons materiais de apoio.
  • Para melhor uso desse controle, anote a data inicial do contrato de trabalho e estabeleça prazos para avaliação. Dependendo do seu negócio uma avaliação de 30 em 30 dias é suficiente. Esse acompanhamento também permite que você não perca o prazo de rescisão de contrato de experiência, caso seja necessário o desligamento.

Com esses cuidados e uma comunicação clara e objetiva aumentamos consideravelmente a chance de um processo de seleção obter índices satisfatórios de permanência. E da sua equipe estar diretamente envolvida no sucesso do seu negócio!

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

7 dicas para fazer seu tempo render e aumentar a produtividade

Por Gabriel Philipe Dia em Artigos

Lidar com trabalho, estudo, família, saúde e tantas outras atividades pode deixar os empreendedores sobrecarregados, gerando estresse e baixa produtividade. Os desafios são dobrados para aqueles que, além de ter o próprio negócio, ainda trabalham em alguma empresa formal ou desempenham outras ocupações.

Além de lidar com clientes e fornecedores, os empreendedores precisam tomar diversas decisões enquanto gerenciam funcionários, organizam questões financeiras, definem estratégias de marketing e muito mais. Nesse mundo empresarial onde exercer multitarefas é questão de sobrevivência, organização é a palavra-chave para fazer o tempo render. Afinal, o dia tem 24 horas para todos, e saber aproveitar cada minuto é um grande fator de sucesso no mercado e na vida pessoal.

Por isso, é essencial aprender a priorizar atividades e gerenciar bem o tempo. Um problema muito comum entre empreendedores, por exemplo, é o excesso de reuniões que duram horas e tratam de assuntos que poderiam ser resolvidos por e-mail. A caixa de mensagens, aliás, quando mal gerenciada, pode acabar roubando muito tempo dos profissionais, exigindo o controle e avaliação adequada do grau de urgência das demandas recebidas. 

Selecionamos algumas dicas e ferramentas para auxiliar os empreendedores a organizar a rotina, aumentar a produtividade e fazer o tempo render. Confira!

Como fazer o tempo render e aumentar a produtividade?

Existem diversos mitos sobre produtividade. Entre eles, estão as frases: “para ser produtivo é preciso dormir menos”, “para ter maior produtividade é preciso trabalhar incansavelmente” ou ainda “é mais produtivo quem entrega o maior número de projetos em menos tempo”. Todas essas ideias podem até gerar alguns resultados positivos, como ampliar o número de entregas em determinado período. Porém, a longo prazo, outras áreas da vida do profissional podem ser afetadas, como a saúde e a família, sem falar que a qualidade do trabalho entregue e a motivação do profissional podem cair. 

Na verdade, produtividade trata-se de aproveitar o tempo da melhor forma e está muito mais relacionada à priorização e recusa de algumas tarefas do que com a realização de inúmeros projetos ao mesmo tempo. Os empreendedores, principalmente os microempreendedores individuais, tendem a centralizar as diferentes demandas do negócio. Dessa forma, ficam totalmente sobrecarregados e com a impressão de que precisam trabalhar cada vez mais para dar conta de tudo, ou pior, que não dão conta e que devem desistir dos seus sonhos. 

Por isso, um dos primeiros passos para aumentar a produtividade é compreender que, para fazer o tempo render, é preciso aprender a priorizar, delegar e negar algumas atividades. Com isso, os profissionais podem se concentrar naquilo que realmente importa, entregando serviços com maior qualidade e também velocidade, uma vez que estão focados no desenvolvimento de projetos específicos.

A seguir, listamos outras 7 dicas práticas para auxiliar os empreendedores a aumentar a produtividade.

1) Use a tecnologia

Existem inúmeros aplicativos e ferramentas digitais gratuitas que podem auxiliar os empreendedores a organizar suas tarefas, lembrar dos seus compromissos e promover uma melhor gestão do tempo, tais como:

  • Trello – organização de projetos com cards e listas;
  • Asana – gestão de equipes e projetos;
  • Pomodoro – gestão do tempo;
  • Agenda Google – organização de tarefas e agendamento de compromissos:
  • Todoist – priorização de atividades e controle de demandas.

Todas essas ferramentas podem ser utilizadas em dispositivos móveis, ampliando o controle do tempo e das atividades a serem realizadas no dia a dia.

2) Tenha reuniões curtas

Anteriormente, falamos como algumas reuniões podem ser totalmente improdutivas. Além de recusar reuniões desnecessárias, para otimizar o tempo e aumentar a eficiência desse tipo de compromisso, é essencial definir uma pauta prévia, pesquisar sobre o tema e preparar algumas perguntas aos envolvidos. Isso garantirá que os objetivos da reunião sejam alcançados. Fique atento também ao tempo máximo previsto, que não deve ser ultrapassado. Indique aos demais participantes que você tem outros compromissos após a reunião. 

Outra dica é instituir a realização de reuniões curtas, e até mesmo em pé, o que irá fazer com que as pessoas sejam mais diretas e objetivas.  

3) Planeje só 70% do dia

A falta de planejamento das atividades que devem ser realizadas pelo empreendedor pode ser uma grande cilada. Muitos profissionais acabam vivendo um dia de cada vez, sem ter uma visão adequada de suas demandas, resolvendo questões mais urgentes e deixando de lado outras tarefas (que logo viram questões urgentes). Esse comportamento reativo pode diminuir a produtividade dos profissionais, uma vez que algumas atividades que também são importantes acabam ficando de lado. Além disso, o senso de urgência e o estresse podem afetar a qualidade dos serviços e projetos realizados de última hora.

Por isso, é essencial realizar um planejamento diário, semanal, mensal e anual. Esse planejamento deve conter as atividades a serem realizadas, as prioridades, metas e objetivos do empreender – que deve ser realista na sua capacidade para resolver e realizar cada tarefa, deixando um tempo vago para os imprevistos. 

Lembre-se: o planejamento permite gerenciar o tempo e realizar as atividades que são mais importantes para o empreendedor a curto e longo prazo.

4) Evite distrações

A habilidade de se concentrar em uma tarefa mesmo com as interferências do ambiente não é para qualquer um. Há um universo de distrações nos sites, redes sociais, grupos de trocas de mensagens, notícias de última hora… e tudo isso sem nem mesmo sair do lugar, usando apenas um dispositivo móvel. Em ambientes conjuntos de trabalho, é importante usar alguns recursos para evitar conversas paralelas em momentos inadequados. Além do famoso fone de ouvido, uma boa saída é utilizar o Pomodoro. 

É uma técnica que auxilia a manter a concentração total em uma única atividade por 25 minutos. Após o período, é possível fazer uma pequena pausa de 5 minutos para ir ao banheiro ou trocar uma rápida conversa com outro colaborador. Se houver interrupções durante os 25 minutos, indique ao seu colega que está terminando uma atividade importante, e que em poucos minutos fará uma pausa.

5) Desprenda-se do e-mail

O acompanhamento da caixa de e-mails durante o dia pode diminuir a produtividade e tirar o foco do trabalho. Por isso, selecione dois ou três momentos do dia para ler e responder os e-mails, como no início da manhã e no final da tarde. Responda fora do horário, apenas as mensagens realmente urgentes. Lembre-se também de desativar os e-mails publicitários que não tem interesse e que acabam enchendo a sua caixa de mensagens. 

Ao escrever e-mails, tente ser o mais objetivo possível e utilizar tópicos que facilitam a leitura.

6) Tenha horários para certas tarefas

Ao planejar as tarefas do dia é essencial separar um tempo para organizar as tarefas a serem realizadas, otimizando ao máximo o tempo para produção e desenvolvimento dos projetos. Na prática, é como fazer um bolo. Nunca comece uma receita sem antes verificar se tem todos os ingredientes. 

Separe também um tempo ao final de cada semana para avaliar o andamento dos projetos, as atividades realizadas e as demandas para próxima semana. Isso evitará que você fique pensando no trabalho durante o período de descanso.

7) Limite os assuntos e rejeite compromissos desnecessários

Assim como indicado anteriormente, tanto para reuniões quanto para qualquer outro tipo de compromisso, é essencial avaliar a necessidade e o objetivo do encontro. Se forem temas que podem ser resolvidos por telefone, e-mail ou até mesmo delegados para outra pessoa resolver, rejeite a reunião presencial. 

Lembre-se que essas escolhas irão permitir que você tenha mais tempo para outras atividades. 

Esperamos que essas dicas possam auxiliar os empreendedores a otimizar o tempo e aumentar a produtividade. Para saber mais sobre o tema e várias outras dicas práticas, recomendamos a leitura do livro Trabalho organizado da autora Thaís Godinho. 

--

Fonte: Sebrae SC

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

10 livros essenciais para mulheres empreendedoras

Por Gabriel Philipe Dia em Artigos

Para ter sucesso, as empreendedoras precisam aprimorar pontos que acabam impactando no seu tempo de permanência no mercado. Os desafios são os mesmos para quem quer empreender: além de garra e dedicação, é preciso se especializar cada vez mais.

Pensando nisso, preparamos uma lista de livros que ajudam as mulheres a empreender. Aproveite a leitura!

Leituras para mulheres empreendedoras

1. O Poder do Hábito

Tornar-se dona do próprio negócio exige mudanças na rotina. É necessário ter persistência para enfrentar tantas novidades. E, mesmo quando o negócio começa a crescer e dar lucro, ainda é preciso muita força de vontade para mantê-lo.

O livro o Poder do Hábito, de Charles Duhigg, ensina como desenvolver um novo costume. O aprendizado contribui para que você crie atitudes necessárias para o crescimento do negócio.

2. A Mágica da Arrumação

Este livro realmente transforma vidas. Seguindo a premissa de "quem arruma a casa, arruma a vida", a especialista em arrumação Marie Kondo ensina técnicas simples para manter o seu lar funcionando de maneira organizada.

Embora as dicas priorizem a organização do ambiente doméstico, os conhecimentos que a autora ensina sobre priorização, seletividade e minimalismo podem ser aplicados no dia a dia do seu negócio, ajudando a organizá-lo.

3. Beleza Natural

Embora o mundo dos negócios seja visto como extremamente competitivo e predominantemente masculino, os empreendimentos mais sólidos, antigos e prósperos vêm do universo da beleza feminina.

Muitas mulheres empreendedoras decidiram investir nesse segmento e, mesmo sendo bem-sucedidas, muitas vezes, não se veem como empresárias ou não acreditam que possuem negócios estruturados.

Em síntese, o livro Beleza Natural, de Liana Melo, conta a história da cabeleireira Zica de Assis. Ex-lavadeira, ela estudou, especializou-se em cabelos afro e, em parceria com a sócia, criou um salão na Baixada Fluminense.

Seu salão inovador tornou-se uma das maiores empresas do país. A obra traz não só uma lição de força, determinação e coragem, mas de autoestima e liderança para as mulheres empreendedoras.

4. Eu mereço ter dinheiro

Um grande desafio para as empreendedoras é saber cuidar do dinheiro, ou seja, fazer controles financeiros. Separar finanças pessoais das empresariais, poupar e até mesmo investir acaba sendo crucial para o sucesso de qualquer negócio.

Reinaldo Domingos ensina como identificar suas necessidades, reconhecer e mudar a sua relação com o dinheiro. Excelente leitura para quem precisa melhorar o controle financeiro do próprio negócio.

5. Sonho Grande

O livro conta a história de três dos maiores empresários do país: Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira. Saber como foi criada a Ambev e sobre outras negociações milionárias — como a compra das Lojas Americanas —, é inspirador.

No entanto, por trás dessa biografia não-autorizada de Lemann e seus sócios, temos uma lição ainda mais inspiradora. A jornalista Cristiane Correa, autora do best-seller oferece uma aula prática sobre foco, determinação e sonhos. Vale a pena a leitura!

6. O Milagre da Manhã

Antes de mais nada, a vida de uma empreendedora não é fácil. A sensação é de que precisamos de um dia com o dobro de horas para fazer tudo.

Por outro lado, e se você pudesse, no mesmo dia, fazer exercícios, colocar a leitura em dia e ainda meditar, sem prejudicar as suas atividades normais?

É isso o que ensina Hal Elrod no livro o Milagre da Manhã. Por meio de um método simples e organizado, é possível criar uma rotina de atividades que darão um novo sentido ao seu dia a dia.

A leitura é ideal para quem acredita não ter tempo para se desenvolver, principalmente por causa do negócio ou da família.

7. As Armas da Persuasão

Por que fazemos as coisas de determinada maneira? Depois de anos estudando o comportamento humano, o autor Robert Cialdini reuniu neste livro, de relevância mundial, o que chama de “armas da persuasão”.

Ele descobriu que existem verdadeiros gatilhos que levam pessoas a ter determinadas reações diante de estímulos. Isso permite vender mais utilizando os gatilhos certos e se proteger de artimanhas do marketing.

De antemão, o livro é leitura obrigatória para quem lida diretamente com clientes ou cuida da comunicação da empresa.

8. Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas

Com mais de 50 milhões de exemplares vendidos, o livro escrito em 1937 e que trata das relações humanas, segue extremamente atual.

A princípio, são conselhos e estratégias de Dale Carnegie para ascender na carreira e nos negócios, fazendo com que as pessoas gostem de você e do seu trabalho. Desse modo, será mais fácil construir novas relações e, é claro, novas parcerias de negócios.

9. Bilionários

Um fato comum a todo empresário é o desejo de que seu negócio prospere. Mas você já se imaginou bilionária? O que você faria se tivesse um bilhão de dólares?

Se sua resposta tem algo a ver com continuar trabalhando, este livro é para você. De maneira leve, Ricardo Geromel nos informa e inspira sobre a vida dos mais bem-sucedidos empresários do mundo.

10. A Bíblia de Vendas

Sabemos antecipadamente que nenhum negócio sobrevive sem vendas. Você pode ter um ótimo produto ou serviço, um segmento de mercado cheio de potenciais consumidores e pouca concorrência, mas se não souber vender, não crescerá.

Por isso, fechamos esta lista de livros com uma leitura essencial para toda empreendedora que deseja impulsionar seu negócio.

A Bíblia de Vendas traz os “mandamentos do sucesso” para você vender mais e melhor.  Além disso, as dicas ajudam a estabelecer relações duradouras e manter vivo o seu sonho de empreender.

Cada vez mais mulheres enfrentam o desafio de empreender. Sabemos que sem planejamento e informação fica mais difícil chegar lá. Por isso, esperamos inspirar você a se capacitar cada vez mais. Saiba tirar proveito do momento e prepare-se para o sucesso pessoal e profissional.

--

Fonte: Sebrae MG com Você

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

8 atitudes para você sair do sufoco!

Por Gabriel Philipe Dia em Artigos

A resposta pode estar em hábitos ruins, de acordo com Vinícius Carlos, analista de Inteligência de Mercado da FCDL-MG. “Olhar para a vida financeira é um desafio, porque você tem de encarar que gerencia mal o dinheiro que ganha, mas se não fizer o que é preciso para melhorar essa situação, as coisas só tendem a piorar”, diz.

Veja oito dicas para sair do sufoco:

  1. Planeje os gastos do mês.
  2. Defina prioridades e pague primeiro as contas mais importantes. A mensalidade da faculdade, por exemplo, deve entrar aqui, já que o não pagamento impede a matrícula no semestre seguinte.
  3. Tente focar as dívidas com juros altos, como o cartão de crédito.
  4. Não pague apenas uma parte de cada dívida. É sempre melhor eliminar cada uma por completo para evitar a ação dos juros.
  5. Fuja das tentações e não compre supérfluos nesse período.
  6. Redefina as prioridades e gaste somente com o necessário. Contas de telefone fixo e planos de TV por assinatura são opções de corte.
  7. Leve os financiamentos para bancos que oferecerem taxas mais vantajosas.
  8. Não adquira novas dívidas.

--

Fonte: FCDL MG

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

83 milhões de brasileiros possuem ao menos uma compra parcelada

Por Gabriel Philipe Dia em Artigos

Dividir o valor de uma compra em várias prestações é um hábito comum do consumidor brasileiro, mas é preciso ter cuidado para que o uso do crédito não se transforme em uma armadilha para o bolso. Um levantamento feito pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em todas as capitais revela que mais da metade dos brasileiros adultos (53%) possuía alguma compra parcelada no último mês de março. Isso significa que, aproximadamente, 82,7 milhões de brasileiros estão com ao menos parte do orçamento comprometido para pagar compras feitas no cartão de crédito, cartão de loja, crediário ou cheque pré-datado.

Quase um terço (31%) das pessoas ouvidas disse estar livre de compras parceladas, mas outros 16% não souberam responder quantas prestações tiveram para pagar no último mês. Em média, os consumidores que possuem alguma compra parcelada demorarão cinco meses para que as prestações sejam totalmente quitadas. Esse tempo mais do que dobra quando se trata de empréstimos (11 meses) e dos financiamentos (12 meses).

Um dado preocupante constatado pelo levantamento é que 13% dos entrevistados não acham necessário fazer qualquer tipo de análise ou avaliação antes de contratar uma modalidade de crédito. Entre os que tomam algum cuidado, os mais comuns são ter conhecimento a respeito do próprio orçamento para ter certeza de que será possível pagar as prestações mensais (35%), informa-se a respeito dos juros (35%) e ter ciência dos valores de todas as tarifas cobradas (28%).

A pesquisa revela que na hora de decidir em quantas vezes a compra será parcelada, os consumidores mostram-se divididos: 39% escolhem o menor número de prestação possível, ao passo que 34% optam sempre pelo maior número de parcelas, caso não haja cobrança de juros.

Na avaliação do educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli, os instrumentos de crédito podem ser um aliado do consumidor, desde que utilizados de forma planejada. “O crédito permite às pessoas ampliarem seu poder de compra adquirindo produtos que levariam anos para serem comprados à vista. O problema é que se ele for utilizado sem responsabilidade e planejamento, essa dívida pode ser nociva para a vida financeira do consumidor. Antes de comprometer parte de sua renda por vários meses, o consumidor deve ponderar se realmente precisa do item desejado ou se trata de uma compra por impulso. É preciso avaliar ainda se ele terá condições de pagar as parcelas sem prejudicar seu orçamento mensal, não se descuidando de analisar tarifas e taxas de juros”, orienta Vignoli.

Eletrônicos e vestuário são os produtos mais parcelados pelos consumidores; 69% preferem parcelar no cartão de crédito

De acordo com a pesquisa, os produtos que os consumidores mais adquirem a prazo são os eletrônicos (65%), roupas, calçados e acessórios (44%), remédios (32%), alimentação fora de casa e delivery (26%) e compras de supermercado (26%) – em todos esses casos, o cartão de crédito é a modalidade de parcelamento mais mencionada.

O cartão de crédito desponta como a modalidade de pagamento a prazo favorita dos consumidores, citado por 69% dos entrevistados. O crediário e o cartão de loja ficaram empatados na segunda colocação com 9% cada. Já o cheque pré-datado foi citado por apenas 1% das pessoas ouvidas.

Embora a maioria dos brasileiros esteja pagando alguma compra parcelada atualmente, 60% dos consumidores disseram ter evitado nos últimos meses realizar mais compras via crédito. Os principais motivos são o receio de extrapolar os limites do orçamento (54%), o fato de já estarem com o orçamento comprometido com outros compromissos financeiros (36%) ou possuírem contas em atraso (15%).

“O acúmulo de várias parcelas no mesmo mês costuma ser um fator de peso no desequilibro orçamentário. É importante manter o orçamento pessoal sempre atualizado para saber, na prática, quanto dinheiro a pessoa ainda tem e quais são as despesas que ainda precisam ser pagas no mês antes de contrair novas dívidas”, afirma Vignoli.

Para este mês de maio, 69% dos consumidores tinham a intenção de adquirir produtos e serviços de forma parcelada, sendo a compra de eletrônicos (24%), roupas, calçados e acessórios (21%), eletrodomésticos (17%), móveis (13%) e supermercado (13%) os mais comuns. Apenas 27% não devem realizar compras por meio do crédito neste mês.

61% cederam às compras por impulso em março; 59% conseguiram algum desconto do lojista para pagamento à vista

Quando se fala em compras parceladas, a impulsividade é um tema que surge com frequência. Por mais que pareça imperceptível, fatores psicológicos, subjetivos e emocionais exercem influência nas decisões de compra. Em cada dez brasileiros, seis (61%) admitiram ter feito alguma compra por impulso no último mês de março ao cederem às tentações do crédito fácil. As aquisições mais feitas de forma impulsiva foram as roupas, calçados e acessórios (22%), itens em supermercados (18%), idas a bares e restaurantes (15%) e compras de perfumes e cosméticos (13%).

Na opinião dos entrevistados, as lojas online são as que mais estimulam as compras não planejadas, com 39% de citações. Em seguida aparecem as lojas de departamento (36%), acompanhadas dos shopping centers (23%) e dos supermercados (22%).

Para o educador financeiro José Vignoli, a reflexão sobre a necessidade de uma compra é fundamental para evitar a impulsividade. “Os apelos do marketing e o estado emocional do consumidor podem ser fatores de estímulo decisivos. Muitas vezes, o consumidor não dispõe de todo o valor e vê o crédito como a única possibilidade de levar o produto de maneira imediata para casa, deixando a reflexão em segundo plano”, explica Vignoli.

A pesquisa ainda mostra que, em muitos casos, pode ser vantajoso optar pelo pagamento a vista. Em cada dez consumidores, seis (59%) conseguiram algum desconto ao pagar por uma compra em dinheiro ou no débito no último mês de março, sendo que 34% pechincharam pelo desconto para pagamento no dinheiro e 15% recebeu uma oferta do próprio lojista, caso pagasse também em dinheiro. Dentre os que receberam desconto, o percentual médio de abatimento foi de 11%. Os que não receberam qualquer desconto formam 29% da amostra.

“Pagar à vista é uma forma eficaz de economizar, pois evita o pagamento de juros, que geralmente estão embutidos nas parcelas. É comum comerciantes oferecerem descontos em compras realizadas no dinheiro, já que nesses casos eles podem abater as taxas da máquina de cartão. Então, o consumidor deve deixar a timidez de lado e pechinchar sempre”, afirma Vignoli.

Metodologia

A pesquisa ouviu 805 consumidores acima de 18 anos, de ambos os gêneros, todas as classes sociais e residentes das 27 capitais. A margem de erro é de no máximo 3,4 pontos percentuais para uma margem de confiança de 95%. Baixe a íntegra da pesquisa em https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas

--

Fonte: FCDL MG

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Cadastre-se e descubra todas as vantagens de ser um dos nossos associados!

Nós também odiamos spam!