CDL ACIBOM / Notícias / Gestão

Anatel começa a bloquear celular pirata a partir de maio de 2018

Por Maicon Douglas Carvalho Dia em Gestão

A diretoria da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) definiu nesta quinta-feira (23) o calendário para bloqueio de celulares piratas no país. A medida começará a ser aplicada a partir de 9 de maio de 2018 e afetará, numa primeira etapa, apenas os aparelhos irregulares em operação no Distrito Federal e Goiás. Nas demais regiões do país, o bloqueio ocorrerá em duas fases, programadas para 8 de dezembro de 2018 e 24 de março de 2019.


Os celulares considerados "piratas" são aqueles não certificados pela Anatel ou então que tenham o chamado IMEI (International Mobile Equipment Indentity), que é o número de identificação do aparelho, adulterado, clonado ou que tenha passado por outras formas de fraude. Esses aparelhos não seguem normas de qualidade e segurança, explicou a Anatel.


Além de celulares, outros aparelhos, como tablets e máquinas de cartão de crédito, que também usam chip e acessam a rede de dados das operadoras e que por ventura não sejam certificados pela Anatel, também poderão ser alvo do bloqueio.


Entretanto, nem todos os equipamentos irregulares serão bloqueados pela agência. A regra prevê um período em que usuários desses aparelhos comecem a ser notificados da medida. Os que entrarem na rede das operadoras antes de começarem as notificações, não sofrerão bloqueio.


A Anatel não informou quantos aparelhos irregulares estão em operação hoje no país. Dados coletados pela agência com as operadoras dão conta que cerca de 1 milhão de novos aparelhos considerados piratas entram nas redes das prestadoras mensalmente.
Um dos principais objetivos da medida é inibir a venda de celulares e tablets contrabandeados ou roubados.
 

Cronograma de bloqueio dos aparelhos
 
A medida aprovada nesta quinta pela Anatel prevê que, num primeiro momento, os donos de aparelhos piratas serão identificados e receberão mensagens de texto informando que o equipamento será bloqueado por não atender às normas da agência. Só depois dessas notificações e que os bloqueios começarão a ser feitos.


Distrito Federal e Goiás:
 

Início das notificações: 22 de fevereiro de 2018.
Início dos bloqueios dos aparelhos piratas: 9 de maio de 2018.
 
Acre, Rondônia, São Paulo, Tocantins, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul:
 

Início das notificações: 23 de setembro de 2018.
Início dos bloqueios dos aparelhos piratas: 8 de dezembro de 2018.

Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, estados do Nordeste e da região Norte:
 

Início das notificações: 7 de janeiro de 2019.
Início dos bloqueios dos aparelhos piratas: 24 de março de 2019.
 
     Só serão bloqueados os aparelhos que forem registrados na rede das operadoras (começarem a funcionar com chip) após os períodos de notificação. No caso de DF e Goiás, portanto, o bloqueio só atingirá aqueles que forem registrados a partir de 22 de fevereiro. Em São Paulo, a partir de 23 de setembro. No Rio, a partir de 7 de janeiro.
 

Recomendações ao consumidor
 
A Anatel informou que o consumidor pode fazer uma checagem do número do IMEI para identificar se o aparelho é irregular ou não.


Para isso, o consumidor deve verificar o número que aparece na caixa e o que consta do adesivo no próprio aparelho. Depois, comparar se os dois são iguais a um outro, que aparece ao se discar no equipamento: *#06#


Caso os números apresentados sejam diferentes, explicou a Agência Nacional de Telecomunicações, "há uma grande chance de o aparelho ser irregular".


Segundo a Anatel, haverá uma interação com órgãos de defesa do consumidor e com o Ministério Público, o que acontecerá antes da fase de encaminhamento das mensagens sobre a adoção de medidas de restrição do uso de aparelhos irregulares.


A Procuradoria Federal Especializada da Anatel informou que não foram identificados impedimentos jurídicos ao bloqueio apenas de novos aparelhos irregulares.


O bloqueio não afetará os terminais exclusivos para dados (modens), pois, segundo a Anatel, não seria possível encaminhar as mensagens informativas aos aparelhos.

Por Redação

Fonte: https://g1.globo.com/

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

53% dos brasileiros estão pessimistas com as eleições presidenciais, mostra pesquisa CNDL/SPC Brasil

Por Maicon Douglas Carvalho Dia em Gestão

Faltando pouco mais de duas semanas para a votação que definirá o novo presidente do país, a maior parte dos brasileiros afirma estar pessimista com as eleições. Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) nas 27 capitais revela que mais da metade (53%) dos consumidores está com uma percepção negativa sobre as eleições presidenciais – o percentual sobe para 59% entre a parcela feminina de entrevistados. Somente 18% das pessoas ouvidas reconhecem estar confiantes com a eleição, enquanto 26% estão neutros.

Para os pessimistas com o processo eleitoral, a maior parte (34%) afirma não ter boas opções de candidatos à disposição. De forma semelhante, 30% não confiam nos nomes que disputam o Planalto, ao passo que 28% não acreditam que o novo presidente será capaz de promover mudanças positivas para a população na economia. Há ainda 27% de pessoas que estão desacreditadas com a possibilidade de renovação na política.

Considerando apenas a opinião dos brasileiros otimistas com as eleições, 39% acham que o novo governo terá mais estabilidade política para aprovar matérias de interesse para o país e 35% depositam esperança no fato de a sociedade estar mais vigilante com os políticos. Outros 18% de entrevistados esperam uma melhora porque haverá mudanças com relação às políticas adotadas pelo atual governo.

Brasileiro está dividido sobre futuro da economia pós-eleições: situação ficará melhor para 34%, mas 33% acham que tudo ficará igual

O levantamento demonstra que muito da percepção negativa sobre as eleições decorre da constatação de o país ainda sofre consequências da crise. Seis em cada dez (63%) brasileiros avaliam que a situação econômica do país está pior do que há um ano, enquanto 24% consideram que a situação é a mesma e somente 13% acham que ela está melhor. Para os brasileiros, mesmo com o fim da recessão, a maior parte dos impactos da crise ainda persistem, como desemprego elevado (90%), aumento de impostos (89%), endividamento das famílias (88%) e inadimplência crescente (86%).

Indagados sobre a situação da economia do Brasil após as eleições, a opinião pública mostra-se dividida: 34% esperam que a economia fique melhor sob o novo governo, mas uma parcela semelhante de 33% acredita que tudo continuará igual. Há ainda outros 17% que acreditam em uma piora do quadro.

Sob o novo governo, quatro em cada dez (44%) pessoas ouvidas acreditam que haverá aumento dos preços, aumento do dólar (44%) e elevação dos juros (42%). Quanto aos rumos do desemprego, as opiniões mais uma vez estão divididas: 33% acham que haverá mais cortes de vagas, enquanto 32% acreditam em criação de novos postos de trabalho. Para 28%, a situação permanecerá a mesma.

Diante da expectativa de um cenário macroeconômico mais difícil, 45% dos que estão pessimistas acreditam que terão de economizar mais e manter a disciplina nos gastos depois das eleições e 43% disseram que será mais complicado manter as contas em dia em 2019.

69% esperam grandes mudanças com presidente eleito. Para entrevistados, combater corrupção, desemprego e criminalidade devem ser prioridades

De modo geral, em cada dez entrevistados, sete (69%) esperam que o presidente eleito faça grandes mudança sem relação ao que vem sendo feito. Outros 26% argumentam em favor de mudanças pontuais, desde que sejam mantidos determinados programas e reformas já colocados em práticas. Somente 5% desejam a continuidade das políticas do atual governo.

Na avaliação dos entrevistados, o combate a corrupção (47%) e o desemprego (45%) lideram como os temas nacionais a serem tratados com prioridade pelo novo presidente e sua equipe. A criminalidade é citada por 38% das pessoas ouvidas e a precariedade da saúde pública por 32%. Outros assuntos considerados relevantes para a nova gestão são a necessidade de ajuste fiscal (23%) e corte de impostos (22%). Embora elejam uma série de temas a serem enfrentados pela nova gestão, um quarto (25%) dos entrevistados acha que nenhum problema será de fato resolvido pelo novo presidente. Além disso, 87% concordam que os candidatos fazem mais promessas na campanha do que podem cumprir depois de eleito.

Dentre as diretrizes que vão nortear o novo governo, 61% discordam da avaliação de que o presidente deve intervir menos na economia. Dessa forma, 88% pensam que o vencedor deve fortalecer a produção nacional e 73% concordam que a prioridade deve ser a distribuição de renda. Outros temas que recebem destaque são o estímulo ao comércio internacional (70%) e a garantia de direitos às minorias (67%).

Indagados sobre o Brasil que querem para o futuro, 44% dos entrevistados desejam um país em que políticos corruptos sejam presos e cumpram suas penas até o fim. Já 39% querem um sistema de saúde mais eficiente e 33% almejam um país mais seguro.

70% querem candidato que ‘põe a mão na massa’ e 53% valorizam honestidade; 24% dos brasileiros discutem eleições nas redes sociais

A CNDL e o SPC Brasil também investigaram o que os brasileiros esperam das habilidades do novo presidente. De modo geral, a população procura um candidato com perfil proativo e ao mesmo tempo articulado, com capacidade de se comunicar com a população e dialogar com a classe política. Para 70% dos entrevistados, é importante que o presidente eleito seja alguém que ‘ponha a mão na massa’ e realize projetos de melhorias em áreas como saúde, educação e infraestrutura. Para 30%, o candidato precisa ser uma pessoa próxima do povo e para 22%, ser um político influente para aprovar projetos no Congresso.

A pesquisa revela também que algumas características pessoais pesam na hora do eleitor decidir seu voto. As mais mencionadas são honestidade (53%), cumprir o que promete (37%), saber abrir mão de interesses particulares em detrimento do interesse da população (34%), ser sensível aos problemas da população (33%) e ter ‘pulso firme’ (31%). A maioria (60%) dos brasileiros disse rejeitar candidatos envolvidos em escândalos de corrupção, enquanto 59% descartam a possibilidade de votar em candidatos desonestos e que mentem.

O levantamento ainda revela que parte considerável dos brasileiros tem se engajado nas eleições: 36% tentam influenciar as pessoas que conhecem a votar no candidato que acreditam ser o melhor e 24% costumam entrar em discussões políticas nas redes sociais.

Por Redação

Fonte: https://www.spcbrasil.org.br/

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Clientes: Impressões sobre a qualidade da gestão no Brasil

Por Maicon Douglas Carvalho Dia em Gestão

Lidando diariamente com a realidade do atendimento aos clientes de empresas de diversos setores e regiões do Brasil, é possível dizer que hoje, apesar da baixa qualidade e ineficiência ainda recorrente em muitas empresas, a consciência da importância do setor avançou a passos largos, sendo quase unanimidade para quem dispõe de um negócio. É impossível pensar em vendas, serviços, atração e retenção de clientes sem pensar em gestão de atendimento e , nesse ponto , é inegável a evolução que temos presenciado.

Por outro lado, quando partimos para prática, percebemos que as empresas ainda cometem erros básicos desde o início do planejamento desta gestão. Um simples levantamento realizado pela Octadesk com 200 profissionais, que responderam espontaneamente a um questionário sobre o assunto, revelou que pouco mais de 20% deles realiza pesquisas de satisfação frequentes com seus consumidores (com intervalos de até um mês).

 
O número é preocupante. Para garantir a eficiência do atendimento e mesmo para aprimorar o que uma empresa vende é importante perguntar a opinião do consumidor, saber se ele tem alguma sugestão em relação ao produto ou serviço e colher feedbacks frequentes.

Pelos resultados obtidos, também vemos como a maioria dos negócios está no meio do caminho quando o assunto é gestão de pessoas. Quase 60% dos respondentes revelaram ter dificuldade em ter uma base de dados consistente para acessar e mensurar o trabalho do time de atendimento. Sem esse conhecimento, o serviço dos colaboradores acaba ficando muito pautado apenas na observação do dia a dia e não em dados concretos e relatórios de produtividade.

Além disso, a maioria das empresas ou não oferece treinamento aos agentes de atendimento (22%) ou apenas os orienta sem nenhum material didático ou reuniões de feedback (38%). O investimento em qualificação de pessoas é essencial. São elas que estão à frente do seu negócio e, muitas vezes, são o único contato que o consumidor tem com a empresa. Por isso, deixar os atendentes despreparados é um tiro no pé.

É interessante observar que, apesar da maioria dos respondentes (79%) oferecer múltiplos canais de atendimento ao cliente (o que é altamente recomendável), uma parcela pouco expressiva deles integra esses canais (25%), caindo num erro grave que resulta em retrabalho e oportunidade para falhas.

 
Com base na pesquisa e também na observação da rotina, o que percebemos é que existe um grande gap entre a teoria e prática no que concerne o atendimento ao cliente que precisa ser deixado para trás. Ao mesmo tempo, em termos de recursos e estrutura, percebe-se que a maioria dos respondentes divide-se entre um nível mediano a elevado de maturidade em relação ao atendimento. Por fim, há uma grande oportunidade, visto que existe uma consciência a respeito da qualidade do próprio serviço, o que já é um primeiro passo para evoluir nesse quesito.

Por Rodrigo Ricco, CEO da Octadesk, especializada na gestão de atendimento ao cliente.

Fonte: http://www.administradores.com.br/

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Prefeitura inaugura Residencial Geraldo Cesário em BD

Por Maicon Douglas Carvalho Dia em Gestão

O Residencial Geraldo Cesário é um bairro completo com casas de excelente acabamento, ruas asfaltadas e iluminadas, água encanada, rede coletora de esgoto. Cada residência tem também área para um jardim na frente e um bom quintal. Enfim, pronto para morar.

Mas o novo bairro foi também uma oportunidade para homenagear gente importante para nossa cidade.

Em projeto de lei de iniciativa dos vereadores Vital Guimarães e Marcelão, sete moradores da região foram homenageadas dando nomes às ruas que compõem a primeira etapa. São elas: Rua Antônio Teodolino; Rua Arlinda Graia; Rua Gercino da Costa Paz; Rua Jardel Maximiano Martins; Rua Libério Lajão; Rua Miguel Alves Correia e Rua Vicente de Paula do Couto

Já o nome do conjunto é uma merecida homenagem a um bom-despachense que foi um grande destaque na construção civil de Bom Despacho, o construtor Geraldo Cesário da Silva. Nas décadas de 50 e 60, Geraldo Cesário foi o mais importante construtor de nossa cidade. Embora não fosse engenheiro formado, fez obras não só de elevada complexidade técnica, mas também de acabamento refinado.

Alguns exemplos estão listados no texto abaixo, de autoria de um dos filhos de Geraldo Cesário. Vale a pena conhecer um pouco da vida de Geraldo Cesário:

O bom-despachense Geraldo Cesário da Silva (1910, 2007), filho de Sancho Cesário Fernandes e Maria Madalena de Jesus, possuía três irmãos e quatro irmãs. Casou-se, em 06/11/1933, com Alice Alves de Souza (1917, 2004) e constituíram uma bela família de 13 filhos (7 mulheres e 6 homens) todos vivos e também bom-despachenses.

Aos 23 anos, conheceu e casou-se com Alice Alves de Souza (1917, 2004), mulher de fibra, forte, de inigualável paciência, amabilidade materna e dedicação aos filhos e, juntos, constituíram e criaram de forma sólida e amorosa, uma bela família composta de 13 filhos, todos ainda vivos (7 mulheres e 6 homens) e bom-despachenses.

Quando ainda jovem, empregou-se na construção da Fábrica de Tecidos de propriedade do empresário Francisco Pio. Foi designado por Francisco Pio e seu genro Dr. Fúlvio para acompanhar o engenheiro responsável pela instalação da Usina Hidrelétrica, que substituiria os Grupos Geradores que ainda supriam a cidade de energia. Sua dedicação e desempenho com foco na qualidade dos trabalhos realizados lhe propiciou um convite para realizar trabalhos em outros países. Mesmo diante de um convite quase irrecusável, optou por dedicar todos os seus esforços ao crescimento do seu núcleo familiar e contribuir para o desenvolvimento da sociedade bom-despachense.

Embora vindo de família de pouco estudo, foi capaz de antever, além dos princípios éticos da formação familiar, a necessidade de crescimento cultural de sua família. Ele sempre supriu sua casa com livros de todas as áreas: enciclopédias, romances, científicos, revistas e de todas as novidades tecnológicas surgidas na época, sempre buscando e orientando os filhos com a sabedoria de que todos os obstáculos podem sempre ser superados. O que fez uma grande diferença no crescimento de todos os filhos, como pôde ser confirmado mais tarde, já em Belo Horizonte e como se verifica até os dias de hoje.

Disciplinado e responsável, ainda jovem iniciou sua longa jornada acumulando larga experiência na área da construção civil, como pedreiro, oficial e construtor licenciado pelo CREA. Teve grande participação na construção da Igreja Matriz da cidade. Foi responsável, juntamente com seu filho primogênito José, também licenciado pelo CREA como construtor e projetista, por aproximadamente 30 anos, pela implantação das construções de maior importância e pioneiras da cidade como: Edifício para Geraldo Fidélis. (1° prédio de 2 andares em Bom Despacho); Residência do prefeito Antônio Leite; Cine Regina e residência para Dr. Juca; Residência para Dr. Geraldo (Gê); Prédio para agência de veículos e posto de gasolina para Costa Irmãos; Residência para Odílio Silva; Prédio de 2 pavimentos Leão da Esquina; Prédio para Pedro Gontijo; Prédio do José Camilo; Igreja do Rosário; Prédio em Dores do Indaiá para Geraldo Fidélis; Grupo escolar na cidade de Moema; Prédio para Cia. Telefônica de Bom Despacho e Prédio do Clube Social, além de várias outras.

Fundador do Círculo Operário em Bom Despacho em meados dos anos 50.

Em 1966 se mudou, juntamente com a família, para Belo Horizonte, em apoio à necessidade dos filhos de perseguirem novos sonhos.

Em Belo Horizonte, continuou seus trabalhos até os 80 anos no que mais amava, depois de sua família – a construção civil. Criou juntamente com seu genro José Hamdan, a empresa Cesário Hamdan Construções construindo vários empreendimentos em Belo Horizonte.

Amava a sua terra natal, e jamais perdeu o contato com os seus amigos e familiares que aqui ficaram. Um bom-despachense "genuíno", daqueles que jamais desligam dos acontecimentos, das tradições, do jeito de ser das pessoas, dos lugares pitorescos, dos detalhes de sua terra natal.

Visitava a cidade constantemente, em companhia de sua esposa e filhos. As pescarias com os amigos (as) nos Rios Picão, Machado, Lambari e São Francisco eram bastante animadas, com ou sem peixe, mas sempre com um churrasco e uma cervejinha. As pessoas mais constantes de sua turma de pescaria eram suas sobrinhas Júlia e Terezinha e seus irmãos Mavinier e Antônio. Preferiu não transferir o seu título de eleitor para Belo Horizonte para continuar participando, como eleitor, da política bom-despachense.

Partiu aos 97 anos, deixando um vazio muito grande em toda a família e em todos aqueles que o conheceram.

A importância da construção civil

A construção de conjuntos habitacionais como o Geraldo Cesário traz dois grandes benefícios imediatos e palpáveis para a cidade. O primeiro e mais visível são as moradias. As casas realizam os sonhos de muita gente. O segundo é a movimentação da economia. A construção de 125 casas como estas recém-inauguradas movimenta algo em torno de R$ 10 milhões de reais. Uma parte vem na forma de salários de engenheiros, pedreiros, bombeiros, eletricistas, telhadistas e outros profissionais. Outra parte vem na forma de material de construção, serviço de terraplenagem e infraestrutura.

Por isto, quando se inaugura um residencial como este, a cidade tem bons motivos para comemorar.

Por Fernando Cabral

Redação:http://www.ibom.com.br/

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Bom Despacho comemora excelentes resultados no último IDEB

Por Maicon Douglas Carvalho Dia em Gestão

Bom Despacho comemora excelentes resultados no último IDEB

As escolas municipais de Bom Despacho receberam excelentes notas no IDEB 2017. Juntas, alcançaram a média de 6,7 pontos. Este resultado ultrapassa a meta estipulada para 2021, que é de 6,6. Também supera a média de todas as escolas do país (5,8), dos estados (6,0), dos municípios (5.6) e das escolas das rede pública (5,5).

“Os resultados me deixaram muito, muito feliz e alegre. Este desempenho que nossos alunos mostraram não é dádiva brotada do acaso, mas fruto de um trabalho consciente, perseverante e amoroso dos nossos profissionais da educação e seus auxiliares. Mais importante, porém, é saber que este trabalho é a fundação sólida sobre a qual nossos alunos construirão o seu futuro”, comemora o Prefeito Fernando Cabral.

“Afirmo que educação não é gasto. Educação é investimento. Nesta área, administramos primeiramente as pessoas. Por isso, em Bom Despacho ouvimos as equipes das escolas e refletimos os resultados da aprendizagem e as soluções em conjunto. Com estas duas práticas temos trabalhado e melhorado a qualidade do ensino para os quase 4 mil alunos da Prefeitura”, destaca a secretária de Educação, Ivy Lílian.

Em Bom Despacho, educação é prioridade – Em Bom Despacho, os educadores da Prefeitura são valorizados. Eles recebem qualificações constantes e reajustes salariais acima da média regional. Todos recebem o piso nacional da categoria, feito que pouquíssimas prefeituras conseguem. Nunca houve atraso de salários.

Além disso, a Administração Cabral já investiu mais de R$ 129 milhões na educação. Anualmente, mais de 27% da arrecadação municipal são aplicados no ensino. Só nos dois primeiros anos de governo, mais de R$ 8 milhões foram usados na reforma e ampliação de todas as escolas. Isso fez com que muitas novas vagas fossem criadas.

Hoje, a Prefeitura atende 100% da demanda de ensino fundamental (6 a 14 anos) e pré-escola (4 e 5 anos). Também já atende 75% da demanda de creche, que recebe crianças de 0 a 3 anos. Com a construção de mais salas de aula na Creche Nossa Senhora Auxiliadora e a inauguração da Creche do Bela Vista, este último percentual chegará a 100%. Bom Despacho entrará para o restrito rol de cidades com 100% das crianças de todas as idades acolhidas.

Em Bom Despacho, alunos são avaliados semestralmente – o resultado das escolas municipais também está ligado à criação do Sistema Municipal de Avaliação da Educação Básica (Simaeb). Semestralmente os alunos de 4 a 14 anos são avaliados pela Secretaria de Educação. Com o resultado em mãos, as equipes das escolas e da secretaria readequam os planejamentos.

“Criamos nosso próprio Simaeb. Elaboramos e aplicamos as avaliações de acordo com a nossa realidade. Assim, acompanhamos de perto a evolução do desempenho dos alunos, a fim de ajustar nossas práticas pedagógicas às realidades de cada turma”, completa Ivy Lílian.

Por: Redação

Fonte: www.bomdespacho.mg.gov.br/

 

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Como saber se sua ideia é inovadora, pode dar certo e gerar lucro?

Por Maicon Douglas Carvalho Dia em Gestão

É comum ouvir falar sobre inovação em empresas do Vale do Silício, em corporações com faturamentos milionários e companhias tecnológicas. Mas e as pequenas e médias empresas? Incorporar a cultura de inovação no dia a dia, como atividade habitual, em qualquer tipo de empresa – é mais simples do que se imagina. Inovar não é apenas criar um produto novo, mas também avançar os negócios de sua empresa, reinventar os processos internos e identificar oportunidades de ganhar mais, gastando menos. 

Dados da Serasa Experian mostram que, em 2017, surgiram 2,2 milhões de novos empreendimentos no Brasil. Infelizmente, um terço destas novas empresas fecha em 2 anos. Qual o principal motivo disso? Além da gestão, a falta de inovação figura entre os vilões para o desenvolvimento de uma empresa.  
 
Às vezes, a empresa é inovadora, mas sua proposta oferecida para o mercado não atende às necessidades do público. De nada adianta uma ideia genial ou uma tecnologia inovadora se elas não resolvem um problema real dos consumidores. Antes de criar um produto, é necessário pensar nesta resposta e testar o ‘coração’ da sua ideia. 

Antes de iniciar este processo, é preciso ter em mente algumas premissas. A primeira delas é de que a inovação precisa de velocidade para acontecer. Hoje, nenhuma empresa pode ser inovadora se não for veloz, tanto nas fases de pesquisa e desenvolvimento quanto na especificação e no modelo de produção e entrega de serviços. Outra premissa é de que perfeição é evolutiva. Um produto ou serviço de sucesso não é criado de uma hora para outra. É fruto de um processo evolutivo, no qual cada interação é um passo em direção ao produto perfeito. 

Para saber se sua ideia é inovadora, pode ser aplicável e gerar lucro, desenvolvemos um processo de criação e execução de provas de conceito, chamado de Proof of Concept Design, ou PoC Design. O objetivo é testar projetos e avaliar não apenas a viabilidade técnica, mas principalmente se os usuários desejam a solução e se estão dispostos a pagar por ela, antes de colocá-la no mercado. A metodologia viabiliza a inovação no dia a dia da empresa, com agilidade e aumento das chances de sucesso. O modelo pode ser aplicável a qualquer cenário de negócios e a todos os perfis de empresas e compreende cinco etapas: Imersão, Ideação, Priorização, Prototipação e, por fim, o Teste. 

 
Em dois anos de atuação, a Action Labs já executou mais de 80 projetos e tem mais de 15 produtos lançados – uma média de pouco mais de um produto criado a cada dois meses. A utilização do PoC Design nos permitiu testar a viabilidade técnica de uma série de ideias e verificar como seria sua aceitação no mercado. 

A inovação não é um momento de genialidade, mas um resultado de uma postura de negócios e de processos que tornam a empresa “fértil” para a inovação. É preciso criar rotinas e procedimentos que colocam a inovação no dia a dia da empresa. A experimentação, rápida e com custo relativamente baixo, pode virar uma rotina de negócios para empresas de todos os portes. 

Por Paulo Renato — Publicitário especializado em internet, dramaturgo e escalador.

Fonte: http://www.administradores.com.br/

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Cadastre-se e descubra todas as vantagens de ser um dos nossos associados!

Nós também odiamos spam!