CDL ACIBOM / Notícias / Economia

Número de inadimplentes que regularizaram dívidas cresce 11,5%, apontam CNDL/SPC Brasil

Por Gabriel Philipe Dia em Economia

Com a retomada da economia a passos lentos, o cenário de recuperação de crédito entre os consumidores começa a dar sinais de melhora. Dados apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito ao Crédito (SPC Brasil) mostra que cresceu 11,5% o volume de brasileiros inadimplentes que regularizaram suas pendências e, que por isso, sairam do cadastro de devedores. Os dados do Indicador de Recuperação de Crédito são de janeiro de 2019 e dizem respeito ao acumulado em 12 meses. Em janeiro de 2018, houve uma queda de -0,7% na quantidade de consumidores que pagaram dívidas em atraso, resultado negativo que se repetiu em igual período de 2017 (- 2,2%) e de 2016 (-2,5%). A última vez que o dado ficou no azul foi em janeiro de 2015, cuja alta fora de 6,2%, também no acumulado em 12 meses.

Do total de devedores que recuperaram crédito no mês passado, 41% residem na região Sudeste e 31% moram no Nordeste. Em terceiro lugar aparece a região Sul (11%), seguida do Centro-oeste (8%) e Norte (6%). Já o número de dívidas que foram retiradas do cadastro de inadimplência mediante pagamento cresceu 9,6% no acumulado em 12 meses. Há um ano, esse dado representava uma queda de 5,1%.

O levantamento ainda mostra que entre os devedores que recuperaram crédito em janeiro, a maior parte (24%) tem entre 30 e 39 anos. Outros 22% estão na faixa de 50 a 64 anos e 13% possuem idade acima de 64 anos. O Indicador de Recuperação de Crédito aponta que não há diferença significativa entre os gêneros: 51% dos que pagaram as dívidas são mulheres, ao passo que 49% são homens.

Na avaliação da economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, o dado positivo observado neste início de ano acompanha a tendência de melhora gradual da economia, mas ainda é insuficiente para reverter o quadro geral de inadimplência elevada no país. “O número de inadimplentes que estão conseguindo honrar compromissos atrasados vem aumentando. Só que ao mesmo tempo, também cresce a quantidade de novos devedores. Isso faz com que a inadimplência continue elevada. Para os próximos meses, o movimento da inadimplência dependerá da evolução do crédito e de outras variáveis macroeconômicas como o desemprego e renda. A melhora desses dois últimos pontos poderá fazer a recuperação de crédito avançar mais do que o número de novos negativados, culminando na queda da inadimplência”, explica a economista.

79% dos que foram negativados em janeiro são reincidentes, sendo que 28% haviam regularizado uma dívida no último ano

O levantamento ainda mostra que, em muitos casos, a inadimplência não é um evento isolado. Do total de consumidores que foram negativados no último mês de janeiro, 79% são reincidentes, ou seja, já haviam aparecido no cadastro de devedores ao longo dos últimos 12 meses. Nesses casos, 28% haviam regularizado a dívida anterior, enquanto 51% ainda estavam com uma dívida pendente. Os 20% restantes de pessoas que se tornaram inadimplentes em janeiro não estiveram com restrições no CPF ao longo dos últimos 12 meses e, por isso, não são considerados reincidentes.

Outro dado observado é que, o tempo médio decorrido entre o vencimento de uma dívida para a outra é de 96 dias, em média. Isso significa que, depois de pouco mais de três meses após ficar inadimplentes, o consumidor volta a atrasar o pagamento de uma segunda conta.

A economista Marcela Kawauti chama a atenção para o cuidado que o consumidor deve tomar ao fechar um acordo com credores, a fim de evitar que haja novos atrasos. “Um dos principais erros cometidos em uma renegociação de dívida é aceitar os termos do acordo sem avaliar sua capacidade de pagamento. Se o consumidor atrasar as parcelas acordadas, nada impede dele ver seu nome voltar para a lista de inadimplentes. Então é preciso ter plena consciência de que o combinado será cumprido e não ter medo de fazer uma contraproposta dentro de suas condições”, alerta a economista.

Metodologia

O Indicador de Recuperação de Crédito mostra a evolução da quantidade de devedores que deixaram o cadastro de inadimplentes num dado mês por conta do pagamento das suas pendências em atraso, bem como a quantidade de dívidas. Já o Indicador de Reincidência mostra o volume de devedores que atrasaram mais de duas contas. Para isso, são usados os registros de saída de CPFs das bases a que o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) tem acesso. Os dados são de abrangência nacional. Baixe a íntegra do indicador em https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas/indices-economicos

Fonte: FCDL-MG

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Vendas no comércio sobem 2,3% em 2018 e têm maior alta em cinco anos

Por Gabriel Philipe Dia em Economia

comércio varejista nacional registrou um avanço de 2,3% em 2018, na comparação com o ano anterior. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 13, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esse é o melhor resultado do setor desde 2013, quando o comércio havia expandido 4,3%. Foi o segundo resultado positivo consecutivo, ficando ligeiramente acima do desempenho de 2017, quando o índice subiu 2,1%. Mesmo assim, o crescimento acumulado de 4,4% nos últimos dois anos não recuperou a queda de 10,3% acumulada entre 2015 e 2016.

Apesar do crescimento no acumulado no ano, as vendas perderam fôlego no segundo semestre, como explica a gerente da Pesquisa Mensal do Comércio, Isabella Nunes. “Foi um semestre marcado pela alta do dólar, por incertezas diante do período eleitoral e pela recuperação da greve dos caminhoneiros, mas, no geral, com saldo positivo”, resume.

No índice mensal, as vendas de dezembro caíram 2,2% em relação às de novembro, no que foi o pior resultado para o mês desde 2000, porém cresceram 1,8% na comparação com dezembro de 2017. “Como em novembro houve uma disparada nas vendas por causa da Black Friday, já era esperado que dezembro registrasse queda”, explica Isabella.

Setores

As vendas da atividade que contempla os hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo cresceram 3,8% e registraram a maior influência positiva, seguida pelos setores de outros artigos de uso pessoal e doméstico, com alta de 7,6%, e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos, com 5,9%.

Já as atividades com as principais quedas nas vendas foram combustíveis e lubrificantes (-5%), tecidos, vestuário e calçados (-1,6%), móveis e eletrodomésticos (-1,3%) e livros, jornais, revistas e papelaria (-14,7%).

“Supermercados, artigos pessoais e farmacêuticos englobam produtos que fazem parte do cotidiano das pessoas. Diante de uma economia estável, são setores que naturalmente apresentam crescimento. Já entre as atividades que caíram, destaca-se o setor de combustíveis e lubrificantes, que, em 2018, sofreram com alta nos preços acima da inflação”, diz Isabella.

Comércio Varejista Ampliado

Já no Comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de Veículos, motos, partes e peças e de Material de construção, houve expansão de 5%. Vendas de veículos, motos, partes e peças (15,1%) e de na de material de construção (3,5%) puxaram o resultado.

Em dezembro, no entanto, houve queda de 1,7% em relação a novembro. O setor de Veículos, motos, partes e peças teve queda de 2% e o de Material de construção de 0,4%.

 

FONTE: Veja/Abril

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Entenda os motivos de investir em capacitação em sua empresa

Por Maicon Douglas Carvalho Dia em Economia

Quando o assunto é gestão empresarial, o investimento em capacitação de colaboradores deve ser um dos pontos primordiais para os empreendedores que pretendem crescer seus negócios.

Embora o cenário econômico brasileiro não seja favorável, em 2017, o investimento anual em treinamento e desenvolvimento (T&D) cresceu 21% em relação ao ano anterior. A média anual investida pelas empresas foi de R$ 788,00 e de 21 horas por colaborador. Os dados são da pesquisa O Panorama do Treinamento no Brasil.

Outro fato interessante identificado foi o de que quanto menor a empresa, maior foi o investimento em capacitação por colaborador. Enquanto as pequenas empresas investem 1,70% do faturamento bruto anual, as grandes empresas investem em média 0,13%.

A pesquisa ainda revelou que, ano a ano, cresce o investimento em atividades terceirizadas, apontando uma tendência, com aumento de 4% em 2017 e 11% nos últimos quatro anos. Segundo os dados, 49% das empresas optam pelo treinamento terceirizado, por meio de consultoria especializada para a área que se pretende desenvolver na organização.

Mas a minha empresa é pequena. Por que devo colocar a capacitação em foco?

Essa certamente é uma questão comum entre gestores de pequenas empresas. A verdade é que a capacitação é um dos três pilares da gestão de sucesso.

Por isso, se as empresas tendem a priorizar os investimentos em tecnologia, com a aquisição de sistemas e equipamentos, além também de consultoria, e de alguma maneira negligenciam a capacitação, há um desequilíbrio de investimentos.

Se você busca uma gestão de excelência, precisa concordar que ela depende muito de como a equipe da empresa está preparada. É importante ressaltar que, para que a empresa evolua, as pessoas que estão à frente dela precisam ser treinadas sempre.

Isso não quer dizer que seja apenas para orientação nos desafios diários do negócio, mas também para estarem alinhadas sobre as mudanças no mercado em que a empresa está inserida e identifiquem potenciais melhorias.

A Jiva, empresa que fornece sistemas de gestão empresarial, preza muito por esse pilar. Por isso, criou o tripé da melhoria da gestão que engloba tecnologia, capacitação e consultoria. Esses três pilares formam a base do que é oferecido pela Jiva para os clientes.

No pilar "tecnologia", a Jiva oferta um sistema de gestão empresarial (ERP) com funcionalidades ideais para a automatização de processos, considerando a realidade dos pequenos negócios.

Diferente de outras soluções do mercado, a Jiva é a única que oferta o pilar "capacitação" por meio de cursos de educação a distância para ensinar aos colaboradores muito além da utilização do ERP. A equipe é treinada para entender conceitos de gestão que são essenciais para o dia a dia do negócio.

Esse conhecimento é fundamental para a melhoria dos processos e para o desenvolvimento da empresa. Isso porque, adotado o ERP, os colaboradores estarão preparados para usar as funcionalidades em sua totalidade, com tudo o que elas têm a oferecer. Além disso, eles podem fazer sugestões e aplicar melhorias ao negócio, já que terão informações suficientes para observar pontos que podem ser mudados.

No pilar "consultoria", a Jiva acompanha a evolução do negócio por meio de uma metodologia que recebeu o nome de "acompanhamento evolutivo". Por meio de consultores especializados e capacitados, a Jiva orienta a empresa parceira sobre as melhores práticas do mercado para que ela se mantenha competitiva e esteja sempre à frente dos concorrentes.

Gostou dessa dica? Aplique o tripé da melhoria da gestão na sua empresa e observe o quanto ele facilita o atingimento dos resultados que você busca.

Agende uma visita com um dos consultores Jiva, receba uma análise gratuita sobre a maturidade da gestão da sua empresa e dê o passo definitivo para o crescimento da sua empresa.

Por Redação

Fonte: https://www.administradores.com.br/

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Indicador de inadimplência do consumidor avança pelo 11º mês seguido; país tem 62,9 milhões de negativados, estimam CNDL/SPC Brasil

Por Maicon Douglas Carvalho Dia em Economia

O volume de consumidores com contas em atraso voltou a subir em todo o país. No último mês de agosto aumentou em 3,63% a quantidade de novos inadimplentes na comparação com o mesmo período do ano passado. Os dados são apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito a partir das bases às quais as duas instituições têm acesso. Trata-se do 11º crescimento consecutivo na comparação anual da série histórica, apesar de a alta ser mais modesta do que nos meses de junho (4,07%) e julho (4,31%). Em número absoluto, estima-se que aproximadamente 62,9 milhões de brasileiros estejam com restrições ao CPF, enfrentando dificuldades para controlar empréstimos, obter financiamentos ou realizar compras parcelas, o que representa 41% da população brasileira adulta.

Se na comparação anual houve um aumento de brasileiros com contas atrasadas, na comparação mensal a inadimplência apresentou ligeira queda. Na passagem de julho para agosto, sem ajuste sazonal, diminuiu em -0,71% a quantidade de pessoas inadimplentes. É a segunda queda mensal seguida observada pelo SPC Brasil.

Na avaliação do presidente da CNDL, José Cesar da Costa, apesar de o pequeno recuo nos últimos 30 dias, a inadimplência segue elevada, refletindo as dificuldades econômicas do país. “A recuperação econômica mais lenta do que o esperado cria dificuldades para a gestão do orçamento das famílias, frustrando planos e a volta do consumo. A reversão desse quadro passa por uma aceleração da atividade econômica, em especial, do emprego e renda, que são os fatores que mais pesam para a confiança do consumidor”, explica o presidente.

Inadimplência cresce 10,52% no Sudeste; com 49% da população adulta com pendências financeiras, Norte é a região com maior proporção de inadimplentes

A análise do indicador por região mostra que a inadimplência avançou de forma generalizada. Apenas no Sudeste o aumento foi de 10,52% na quantidade de devedores. Em segundo lugar ficou a região Norte, com alta de 3,76%, seguida do Nordeste (3,22%), Sul (2,67%) e Centro-Oeste (1,87%).

De acordo com a estimativa, proporcionalmente, a região que concentra o maior número de inadimplentes é o Norte: 49% da sua população adulta está com o CPF restrito, o que representa 5,9 milhões de consumidores negativados. A segunda região mais inadimplente é o Nordeste, que tem 43% dos adultos com contas em atraso ou 17,4 milhões de consumidores com restrições ao crédito. No Centro-Oeste são 5 milhões de inadimplentes (42% da população adulta local), no Sudeste há um total de 26,1 milhões de negativados (39% dos residentes acima de 18 anos) e no Sul, aproximadamente 8,5 milhões de pessoas com pendências financeiras (37% da população adulta).

Inadimplência cresce mais entre idosos e cai entre população jovem

O indicador ainda revela que é entre a população mais velha que se observa o aumento mais acentuado da inadimplência. Na comparação entre agosto de 2018 com agosto de 2017, aumentou em 9,56% a quantidade de inadimplentes com idade de 65 a 84 anos. Considerando apenas os brasileiros de 50 a 64 anos, a alta foi de 6,26%, enquanto na população de 40 a 49 anos, houve um aumento de 4,77% no número de negativados. Entre os consumidores de 30 a 39 anos, a alta da inadimplência foi de 1,69% em agosto.

A inadimplência apresentou queda somente entre os mais jovens. Considerando a população de 18 a 24 anos, houve um recuo considerável de -23,20%, ao passo que entre os brasileiros de 25 a 29 anos, a queda foi de -5,63%.

Na avaliação do presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, o comportamento distinto entre as faixas etárias é reflexo da entrada tardia dos jovens no mercado de trabalho e também da permanência prolongada dos idosos como força produtiva do país. “Fora do mercado de trabalho pelas mais diversas razões, seja estudo, desemprego ou por opção, muitos desses brasileiros acabam ficando também fora do mercado de crédito, reduzindo o contingente de potenciais inadimplentes. Já entre os idosos, que estão permanecendo por mais tempo no mercado de trabalho, a renda mais curta nessa faixa etária e o aumento expressivo de gastos com saúde, por exemplo, podem desajustar o orçamento”, analisa Pellizzaro Junior.

Em números absolutos, a maior parte dos inadimplentes está compreendida na faixa dos 30 aos 39 anos: são 17,9 milhões de pessoas nesse momento da vida que não conseguem honrar seus compromissos financeiros. Considerando a população de 40 a 49 anos, são 14,1 milhões de inadimplentes e outros 13 milhões que possuem de 50 a 64 anos. Na população idosa, que vai dos 65 aos 84 anos, são 5,4 milhões que estão com o CPF restrito. Na população mais jovem, os números também são expressivos: 7,8 milhões de inadimplentes com idade de 25 a 29 anos e 4,5 milhões com contas atrasadas que têm de 18 a 24 anos.

Volume de dívidas tem alta de 1,11% em agosto; dívidas bancárias crescem 7,03%, enquanto crediário tem queda

Outro número calculado pela CNDL e pelo SPC Brasil é o volume de dívidas que estão no nome de pessoas físicas. Nesse caso, houve um crescimento de 1,11% em agosto deste ano na comparação com o ano passado. Na base mensal de comparação, isto é, agosto frente julho, foi observado uma leve queda de -0,66% no volume de dívidas em atraso.

Os dados das pendências por setor credor revelam que as dívidas bancárias, que englobam cartão de crédito, cheque especial e empréstimos, por exemplo, é a que apresentou a alta mais expressiva em agosto: 7,03% na comparação com o mesmo mês de 2017. O segundo setor mais impactado pela inadimplência foi o de serviços básicos, como água e luz, cujo crescimento foi de 3,42%. Os atrasos no crediário do comércio caíram -6,01%, enquanto as pendências com TV por assinatura, internet e telefonia se mantiveram estáveis, com pequeno avanço de 0,01% no período.

Em termos de participação, mais da metade (52%) de todos os compromissos financeiros não quitados pelo brasileiro foi contraída em bancos ou financeiras, seguidas do comércio (18%), setor de comunicação (14%) e emprestas prestadoras de serviços básicos (8%).

Metodologia

O indicador de inadimplência do consumidor sumariza todas as informações disponíveis nas bases de dados às quais o SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e a CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) têm acesso. As informações disponíveis referem-se a capitais e interior das 27 unidades da federação. A estimativa do número de inadimplentes apresenta erro aproximado de 4 p.p., a um intervalo de confiança de 95%.

Por Redação

Fonte: https://www.spcbrasil.org.br/

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

5 maneiras de conquistar os consumidores da Geração Z

Por Maicon Douglas Carvalho Dia em Economia

Nascidos entre 1994 e 2002, os membros da Geração Z possuem um grande poder de compra, apesar de serem muito jovens. E não apenas isso, eles também gastam consideravelmente, tanto online quanto off-line. 

O estudo The Gen Z Report, conduzido pela Criteo em países como Brasil, Estados Unidos, França, Alemanha, Japão e Reino Unido, revela uma alta média de gastos. Isso é especialmente verdade no consumo de eletrônicos, categoria na qual os jovens gastaram em torno de US$ 182 dólares nas compras online e US$ 125 dólares no varejo off-line dentro de um período de seis meses.

 

 
PUBLICIDADE

inRead invented by Teads
E assim como a renda do grupo cresce com o passar do tempo, o mesmo acontece com seu poder de compra. O que significa que a Geração Z merece atenção. Ao abordar as preferências específicas desse público, há boas chances de obter um grande retorno. Então vamos analisar algumas características-chave e como os varejistas podem oferecer o que eles desejam. 

1. Quem é a Geração Z? 

Apesar de ter muito em comum com outras faixas etárias, a Geração Z possui características únicas. Mobile e mídias sociais são seus canais preferidos, o que significa que eles navegam o mundo com seus smartphones e estão em contato próximo com seus pares pelas redes sociais, registrando o que é novidade, o que está em alta e o que não está. 

2. Social e Mobile moldam suas vidas

Facebook, Snapchat, Instagram e Twitter são fundamentais para os membros da Geração Z. No geral, eles acessam as redes sociais várias vezes ao dia. Por isso, é importante que a estratégia de marketing corresponda a esse padrão de uso. 

Eles passam mais tempo no mobile que as gerações anteriores, concluindo 32% de suas transações nesse ambiente. Além disso, eles reproduzem mais conteúdo streaming - programas de TV, vídeos, música, podcasts - se comparados aos consumidores mais velhos, chegando a uma média de 23 horas por semana. E, sim, normalmente as transmissões são feitas pelo smartphone. 

3. O varejo físico é importante

Essa geração tão conectada ao mobile e ao mundo online tem afinidade pela experiência no varejo físico. Se eles vão comprar, querem experimentar os produtos antes. Prova disso é que 71% deles gostam de comprar em lojas físicas e 80% gostam de visitar e testar novas lojas. 

A Geração Z tem um comportamento muito particular em relação a uma variedade de coisas. Não surpreende, porém, que o preço seja um fator importante para eles. Uma loja com bom design também é valorizada. Nos estabelecimentos físicos, eles querem mercadorias únicas, displays que mostrem o produto em uso e maneiras de experimentar os itens. 

Eles também são omnishoppers: pesquisam mercadorias online e depois experimentam na loja física. A compra ocorre nos dois ambientes, dependendo do que funcionar melhor naquele momento. O estilo de compras da Geração Z segue alguns comportamentos: 

● 34% Webrooming — pesquisam online, mas compram na loja física.

● 27% Scan and Scram — veem o produto na loja física e compram de outro varejista no ambiente online.

● 18% Click and Collect — compram online, mas retiram o produdo na loja física ou em um quiosque.

● 18% Showrooming — veem o item na loja física, mas compram online.

● 15% Click and Ship — veem o produto na loja física e compram mais tarde no site mobile ou no app do varejista. 

4. A loja online também precisa ser atraente

 
Assim como os membros da Geração Z esperam que a loja física seja lindamente projetada, o site do varejista também precisa ser atraente. Não basta apenas ter uma boa aparência, é necessário oferecer fácil navegação, imagens esteticamente agradáveis, recursos como visão de 360 graus para os produtos, descrições precisas dos itens com conteúdo dinâmico, vídeos voltados para a faixa etária, comentários otimizados para suas mentes céticas e frete grátis (com devoluções de baixo ou nenhum custo).

5. Personalização, por favor!

Os consumidores da Gen Z esperam personalização nos anúncios que eles veem e nas mercadorias oferecidas. O Youtube e as redes sociais apresentam janelas para milhares de influenciadores do varejo e da moda - os membros da Geração Z simplesmente não querem se parecer com todo mundo. É importante se basear em dados para oferecer produtos novos e diferentes e não ter medo de ver esses consumidores indo embora. A Geração Z está constantemente comprando e eles voltarão em breve para ver o que há de novo. 

Estamos diante de consumidores muito jovens e que estão mais que dispostos a comprar. Adaptar as ofertas de varejo às suas preferências únicas abre caminho para construir uma geração de clientes entusiasmados e fiéis.

 Por: Alessander Firmino — Diretor geral da Criteo para o Brasil e América Latina

Fonte: http://www.administradores.com.br/

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

E-commerce deve se preparar para o Black Friday com o máximo de antecedência

Por Maicon Douglas Carvalho Dia em Economia

Desde que chegou em terras brasileiras, em 2010, a Black Friday, dia de descontos organizado pelo varejo na última sexta-feira de novembro, tem se consolidado como uma das mais importantes datas para o comércio no país, tirando, inclusive, muitos comerciantes do 'vermelho'.

Apenas para ter uma ideia, a data, que costuma zerar os estoques das lojas, movimenta cifras exorbitantes: somente em 2017, o evento movimentou a marca total de R$ 2,1 bilhões.

 
E apesar de ter se popularizado também nas lojas físicas, o período – bastante aguardado por milhares de brasileiros que buscam comprar produtos e serviços de todos os tipos com grandes descontos – tem como foco prioritário o e-commerce.

Para 2018, esse número tende a aumentar, apesar de esse ano ter sido bastante atípico para o varejo, com eventos como a greve dos caminhoneiros, que causou um prejuízo milionário a algumas categorias de comerciantes, e a Copa do Mundo, a qual costuma aumentar o faturamento de determinados setores, como eletroeletrônicos (televisores e celulares), vestuário (camisetas personalizadas) e outros que desenvolvem produtos que remetem a esse universo da bola, além de bares e restaurantes e hotéis; mas causa retração em outros segmentos que não são vinculados à Copa e acabam sofrendo com as paralisações causadas pelos jogos.

Diante de uma demanda tão crucial para a economia como um todo e para a reputação das marcas envolvidas no processo, é fundamental que as lojas online antecipem o quanto antes o seu planejamento. E não me refiro apenas a detalhes mais óbvios, como controle de estoque e layout customizado. É preciso ficar atento a questões, por exemplo, como segurança, já que essa época é um chamariz para todo o tipo de fraude na internet.

Se o lojista deseja se precaver em relação a isso, principalmente se ele for um micro ou pequeno empresário, precisa reservar uma verba para investir com mais ênfase em segurança da informação, a fim de evitar danos à estrutura da rede e, principalmente, o roubo de informações confidenciais, não só da empresa, mas dos seus clientes. E esse processo, obviamente, não é feito do dia para a noite. É necessário realizar testes de segurança para avaliar os pontos fracos, além de otimizar os serviços utilizando configurações automatizadas, introduzir processos de certificação digital, entre outros detalhes, principalmente se for a primeira vez do e-commerce em um evento de alto impacto.

 
Outra questão importante que merece antecipação é a criação de campanhas. Caso o empreendedor queira realizar ações assertivas, que engajem um número expressivo de pessoas e torne a marca conhecida antes mesmo da época do Black Friday, fazendo com que o cliente fique ávido pela entrada dos produtos com descontos em seu site (sem nem fazer questão de pesquisar em outros), precisa direcionar uma parte dos investimentos para ações de mídia. Para isso, a recomendação é contratar uma agência especializada em marketing digital que desenvolva e monitore essas atividades, fazendo a gestão de métricas no Google ADS, Facebook e outras plataformas; ou uma equipe para cuidar do marketing do seu negócio.

Sem mencionar, é claro, as etapas do planejamento financeiro, que incluem a avaliação da situação atual da empresa e do cenário econômico, reserva de capital de giro, entre outros detalhes; e de logística, onde devem ser observadas as etapas de frete e entrega. Quem trabalha com e-commerce deve se fazer a seguinte pergunta: "meus fornecedores estão preparados para o crescimento exponencial da demanda nessa época do ano?".

Enfim, esses são apenas alguns dos exemplos nos quais o empreendedor necessita dispensar atenção, tempo e dinheiro. Estamos há praticamente quatro meses do Black Friday e, enquanto muitos gestores acreditam que o evento esteja distante do ponto de vista do planejamento, na minha opinião, já passou da hora de as empresas iniciarem a sua investida para alcançar o público que ainda não conhece a sua marca ou conquistar de vez aquele que talvez até seja cliente cativo da sua loja física, mas que ainda não tem a confiança necessária ou o hábito de comprar no seu e-commerce. O caminho é longo, mas os resultados o justificam. Antecipe-se e colha os frutos.

Por: Denis Casita —  Especialista em Marketing Digital e CEO da Performa Web.

Fonte: http://www.administradores.com.br/

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Cadastre-se e descubra todas as vantagens de ser um dos nossos associados!

Nós também odiamos spam!